Cidadania, Eventos, Exposições, Leituras

Exposição temática “Dia Mundial da Alimentação”

16 de outubro – Dia Mundial da Alimentação

Promoção da leitura

O Dia Mundial da Alimentação serviu de inspiração para a seleção de títulos que divulgamos à comunidade. Esta atividade foi realizada em articulação com Educação para a Cidadania e o Projeto de Educação para a Saúde.

Boas Leituras!

Cidadania, Comunicação, Eventos, Leituras

Mês Internacional das Bibliotecas Escolares.

Anualmente, em outubro, comemoramos o “Mês Internacional das Bibliotecas Escolares”, com o tema “Descobrir caminhos para a saúde e bem- estar”.

A biblioteca escolar, em articulação com grupos disciplinares, projetos e clubes da escola, após aprovação pelo Conselho Pedagógico, considerou que este será o nosso tema anual.

Por isso, neste mês e ao longo do ano desenvolveremos atividades diversas que dêem corpo a este projeto.

O Clube Foto em articulação com a biblioteca divulgam o cartaz de escola alusivo a esta comemoração.

Cidadania, Clubes de Leitura, Escrita

Clubes de leitura na escola

O projeto “Clube de Leitura” começou há dois anos, por iniciativa de um grupo de alunas do 12.º ano, que partilhavam com a biblioteca escolar (BE) o Amor pelos livros e o Prazer da leitura.

Este ano, graças ao apoio do Plano Nacional de Leitura, vamos alargar o projeto. Além do Clube de Leitura da BE, estão a nascer clubes de âmbito curricular e em articulação com a BE. Começaremos com delicadeza e carinho mas com estratégia e determinação. Seremos humildes ao ouvir as sugestões de todos os que queiram desenhar connosco caminhos onde os livros serão sempre o (pre)texto para descobertas, aprendizagens, partilhas, prazer, saúde e bem- estar.

Sejam bem-vindos (as) à Leitura! Contamos com todos(as) no(s) Clube(s) de Leitura!

Clubes de Leitura, Leituras

CLUBE DE LEITURA NA ESCOLA

A Biblioteca inscreveu-se no projeto do PNL, “Clube de Leitura nas Escolas” e foi selecionada!

Mais um desafio apoiado pelo PNL, a que daremos corpo e visibilidade, envolvendo a nossa comunidade educativa, em prol da promoção da leitura individual e partilhada, na sala de aula, na biblioteca, noutros espaços e com diferentes parceiros/ companheiros de leitura.

PARABÉNS ESCOLA SECUNDÁRIA DU BOCAGE!

Cidadania, Eventos

A abolição da pena de morte em Portugal

“Portugal foi o primeiro país europeu a abolir a pena de morte para crimes civis. No dia 1 de julho de 1867, após longa discussão parlamentar, foi aprovado o decreto-lei que muitos consideraram um grande passo de civilização.

 

 

 

Cidadania, Comunicação, Escrita

“O mar dá bom clima”. Artigo de aluna

A aluna Beatriz Janes  do 8.º C, escreveu um artigo para divulgação, sob a orientação do Prof. Carlos Bico.

Parabéns à Beatriz e obrigada  ao Prof. Carlos Bico.

Pradarias Marinhas

As Pradarias Marinhas são constituídas por plantas que antigamente faziam parte dos nossos campos e que, devido a um processo evolutivo, abandonaram a terra e fizeram da água o seu novo lar, denominando-se assim como plantas ou ervas marinhas. Ao contrário das algas estas ervas marinhas têm caules, folhas, flores e frutos.

Distribuição mundial das Pradarias

pradarias

Estas encontram-se distribuídas por todos os oceanos, com exceção do Oceano Glacial Antártico, situando-se principalmente em zonas costeiras ou em estuários. Existem várias espécies de ervas marinhas pelos oceanos sendo a costa das ilhas da Indonésia; a costa da Malásia; a costa das Filipinas; a costa norte australiana e uma pequena parte da costa africana no Oceano Índico, as zonas com maior número de espécies, tendo entre 12 a 15 espécies diferentes, em seguida temos no Oceano Pacífico, perto da costa da austrália; a costa japonesa; a costa do Vietname; o Golfo da Tailândia; a costa oriental da Índia; o Mar Vermelho; o Golfo Pérsico; o Golfo do México e a costa norte sul-americana onde se pode encontrar entre 7 a 11 espécies diferentes e por último temos o mar Mediterrâneo; a costa europeia; a costa norte americana; o Mar das Caraíbas; no Oceano Índico, junto à costa asiática e à costa africana e no Oceano Pacífico, junto à costa australiana e da Nova Zelândia onde se pode encontrar entre 1 a 6 espécies diferentes.

Contudo, no futuro as espécies de ervas marinhas encontradas nos oceanos podem vir a diminuir. O principal fator que pode provocar a diminuição de espécies de ervas marinhas nos oceanos são as alterações climáticas. Nos últimos anos temos assistido a um aumento das temperaturas mundiais, que, por sua vez provocam um aumento da temperatura dos oceanos. Este aumento pode levar à extinção de várias espécies entre elas as ervas marinhas. Esta extinção pode levar ao aumento da erosão costeira, uma vez que estas fixam o solo debaixo de água; à diminuição da qualidade da água, ao aumento do dióxido de carbono na atmosfera, uma vez que estas captam muito do dióxido de carbono presente na atmosfera, o chamado carbono azul e à diminuição da biodiversidade, já que estas ervas servem de abrigo e de alimento a muitos outros seres vivos. Para além disso o aquecimento dos oceanos pode provocar o degelo dos glaciares, o que por sua vez faria com que o nível das águas aumentasse, o que iria levar à inundação das zonas costeiras. Esta inundação levaria à extinção de várias espécies não só aquáticas como também terrestres, o que afetaria vários ecossistemas. Com o passar do tempo a extinção de animais começaria a afetar o ser humano, que começaria a ter falta de alimento e de outras matérias primas.

Resumindo, as ervas marinhas encontram-se em vários sítios do nosso planeta e desempenham funções muito importantes. No entanto, estas podem estar em perigo como muitas outras espécies de animais e plantas, por isso temos de protegê-las e a melhor forma de fazê-lo é começar a preocuparmo-nos mais em relação às alterações climáticas e ajudar a combatê-las, reciclando, usando energias renováveis, poupando água, usando transportes públicos, entre outros… Para que estas e muitos outros seres vivos continuem a habitar o nosso planeta por muitos mais anos.

Beatriz Janes, n.º5, 8ºC

Cidadania, Comunicação, Escrita

“O mar dá bom clima”. Artigo de aluna

A aluna Matilde Cristóvão  do 8.º C, escreveu um artigo para divulgação, sob a orientação do Prof. Carlos Bico.

Parabéns à Matilde e obrigada  ao Prof. Carlos Bico.

A Distribuição Mundial das Pradarias Marinhas

As ervas marinhas são plantas angiospérmicas (planta com flor) que formam extensas pradarias em zonas costeiras, lagoas, rias ou estuários.

As pradarias marinhas são importantes não só por fazerem o papel de casa, maternidade e esconderijo, mas também pelo importante papel que desempenham no ciclo do carbono azul.

As alterações climáticas terão um grande impacto nos oceanos, e, por consequência, nas pradarias marinhas e todas as espécies que lá habitam permanentemente ou temporariamente, no caso de as usarem como esconderijo ou berçário. Por exemplo, com o aumento da temperatura do mar certas espécies que não estão habituadas a temperaturas muito elevadas não conseguirão sobreviver, tal como aconteceria com o aumento do nível médio das águas do mar e às espécies que não estão preparadas para certos tipos de profundidades. Estas duas consequências afetarão diretamente as pradarias marinhas que têm temperaturas e profundidades específicas para conseguirem sobreviver.

As pradarias marinhas podem ser encontradas um pouco por todo o mundo. Por exemplo, a zona costeira de Madagáscar engloba duas zonas de pradarias marinhas. Uma liga o sul da ilha à Índia e é a maior área, no entanto, é a que tem menor variedade de espécies de pradarias marinhas. A outra liga o norte da ilha a Moçambique que, mesmo sendo a mais pequena, é a que tem maior diversidade de espécies.

A zona onde se pode encontrar a maior variedade de espécies de pradarias marinhas situa-se na fronteira entre o Oceano Índico e o Oceano Pacífico, que abrange a zona costeira das Ilhas da Indonésia, Papua Nova Guiné, Malásia, Timor-Leste, Filipinas e também grande parte da costa australiana, incluindo a zona em volta da Grande Barreira de Coral, zona onde existem cerca de doze a quinze espécies de pradarias marinhas. Mais para Este, no Oceano Pacífico, podemos observar uma grande zona de pradarias marinhas que, no entanto, tem menos diversidade de espécies, contendo apenas entre sete a onze espécies.

Existem mais zonas de pradarias marinhas ao longo do Pacífico com ainda menos variedade de espécies como, por exemplo, uma extensa área que acompanha toda a costa da América do Norte, começando no Alasca até ao final da costa da América Central, terminando perto do Panamá.

Já no Oceano Atlântico, encontramos também várias pequenas zonas de menor variedade de pradarias marinhas (que vão apenas entre uma a seis espécies), que incluí zonas costeiras como as da Gronelândia, da Islândia e do Canadá. Existe também uma pequena zona com alguma variedade de pradarias, que se encontra no Golfo do México. Na Europa pode-se encontrar uma extensa zona de pradarias marinhas, mas com pouca variedade, que engloba todo o Mar Mediterrâneo (onde se encontra Portugal), parte do Mar do Norte e parte do Mar Báltico e toda a costa do Reino Unido e da República da Irlanda.

Já em Portugal existem apenas três tipos de ervas marinhas: Zostera marina, Zostera noltii e Cymodocea nodosa. Estas ervas marinhas formam grandes pradarias no estuário dos rios Mondego, Tejo, Sado e Mira, na Lagoa de Óbidos, na Península de Tróia, na Ria Formosa e também na Ria de Aveiro.

Matilde Cristóvão, n.º 21, 8.º C

Concursos, Leituras

Ideias de Leitura

Convidamos para verem os desafios e ideias de leitura do Plano Nacional de Leitura.

Já participaram nas Ideias de Leitura de julho? Escolhe um desafio, lê e partilha a capa do livro aqui, na respetiva coluna.
O PNL2027 publica mensalmente ideias de leitura dirigidas a jovens. Este espaço destina-se à publicação das capas dos livros lidos em cada desafio.

Ideias de leitura

Concursos, Escrita

Concurso de Poesia

O Concurso de Poesia decorre na sequência do Concurso de Fotografia. Os alunos são desafiados a escolherem uma foto inspiradora e criam um poema ou um texto em prosa poética. Este ano o concurso iniciou-se no 2.º período e decorreu até junho.

A BE dá os parabéns aos participantes e agradece aos docentes e ao Clube Foto que permitiram que esta atividade se realizasse mesmo a distância.Divulgaç

Eventos, Leituras

21 de junho – Dia do Relógio de Sol

“O que é um relógio de Sol?

Um relógio de Sol é um instrumento que determina a hora do dia através da sombra de um objeto (gnómon) feita pelo Sol. O relógio de Sol mostra o tempo solar verdadeiro, também chamado hora solar aparente. Num sentido mais amplo, um relógio de Sol é qualquer dispositivo que use a altura ou o azimute do Sol (ou ambos) para mostrar a hora. Além da sua função de contagem de tempo, os relógios de Sol têm também interesse como objetos decorativos e de estudo matemático.

Para aceder a mais informação do Observatório Astronómico de Lisboa, clique na imagem.

                      O antigo relógio de sol no jardim do OAL.

Comunicação, Eventos, Plano E@D

Projeto: “O mar dá bom clima.”

Fórum de encerramento do projeto: “O mar dá bom clima.”

A turma F do 8º ano da nossa escola participou no fórum de encerramento do projeto: “O mar dá bom clima.”- uma parceria com a organização Ocean Alive. Na impossibilidade de realização presencial, o fórum foi dividido em três sessões, que substituíram a situação ideal inicialmente prevista – um dia de trabalho e convívio no Instituto Politécnico de Setúbal, para todos os participantes. As sessões realizaram-se, via Zoom, tendo cada uma delas uma hora e meia de duração e um objetivo específico.

Na sessão nº 1 realizada no dia vinte e sete de maio, foram apresentados os vídeos-resumo das atividades desenvolvidas por cada escola. Os alunos do 8º C, Tiago Lopes, Luísa Costa e Matilde Silva responderam a cinco questões, em representação dos seus colegas de turma. Seguiu-se a intervenção do professor coordenador de cada escola. Entre cada uma das apresentações das escolas tivemos a oportunidade de ouvir o testemunho apaixonado das mentoras do projeto e ainda das guardiãs do mar que, com toda a humildade, mostraram o trabalho de excelência que têm feito, ao nível da sensibilização para a proteção das pradarias marinhas e do mapeamento, com recurso a GPS, que estão a realizar em articulação com as biólogas marinhas.

Na sessão nº 2 realizada no dia um de junho, os diferentes atores do projeto, através de um trabalho de grupo, partilharam e refletiram acerca das suas experiências e apresentaram soluções conjuntas relativas à conservação das pradarias marinhas do estuário do Sado. Nestes pequenos debates, ficou bem evidente a relevância deste habitat em Portugal no combate às alterações climáticas. Para alcançar este objetivo, os participantes foram divididos em grupos com a seguinte constituição: um professor coordenador deste projeto na escola/um membro da Ocean Alive, um investigador, um representante empresarial, uma guardiã do mar e três a quatro alunos. Neste trabalho foram abordadas as seguintes questões: –

Visão: Como vêm o papel das pradarias na regulação do clima? Como gostariam de ver em Portugal as pradarias na regulação do clima, para cumprimento do Acordo de Paris? 

Identificar e compreender as ameaças à visão: quais são os principais problemas que identificam à manutenção e restauro das pradarias? Quais são as necessidades e os comportamentos que estão na origem destas ameaças? Que mudanças de estratégias / comportamentos deveriam ser implementadas?

Uma solução de compromisso: Que solução propõem para resolver um dos problemas e qual é o vosso compromisso na solução?

No final, as conclusões foram inseridas num formulário eletrónico e devolvidas à organização.

A sessão nº 3 teve como objetivo a celebração e partilha dos resultados do trabalho colaborativo com todos os participantes (alunos, professores, guardiãs do mar, empresas, entidades, ONGs, decisores) e ainda a avaliação do fórum e do projeto, em pleno Dia Mundial dos Oceanos – oito de junho.

Convém dizer que, em cada uma das sessões, estiveram presentes mais de uma centena de participantes neste projeto. Fizeram-no de uma forma entusiástica, ignorando o constrangimento da realização desta atividade à distância.

Por último, um grande obrigado a todos os que ajudaram a que este projeto fosse uma realidade:

– à direção da Escola Secundária de Bocage pela assinatura do protocolo pelo nosso diretor;

– à Ocean Alive e, especificamente, às biólogas marinhas Raquel Gaspar, Sílvia Tavares e Ana Varela e às guardiãs do mar, sempre disponíveis para a interação com os alunos;

– à Herdade da Comporta – bióloga Beatriz Pina;

– à adjunta do diretor – professora Isilda Silva, pelo acompanhamento permanente, pela participação no fórum e ainda pela publicação periódica das diferentes fases do projeto na página da escola divulgando-o assim à comunidade educativa;

– aos professores do Conselho de Turma: Miguel Boullosa (diretor de turma); Fátima Diogo (Inglês), Pedro Henriques (Geografia); Paula Agostinho (Físico-Química), Teresa Hiêu (Português), pela realização de um conjunto de atividades de articulação curricular;

– à professora bibliotecária – Rosa Duarte, pelo apoio na gestão do espaço de exposição e divulgação no facebook da biblioteca;

– à diretora do jornal da escola – professora Alexandra Cabral, através da publicação de vários artigos sobre o projeto;

– aos encarregados de educação que nos confiaram os seus filhos num dia com um estado de tempo assustador para saída de campo;

– aos grandes protagonistas – os alunos – que demonstraram um grande entusiasmo e empenhamento no projeto, mesmo na fase de ensino à distância.

Agora… a responsabilidade é nossa: sensibilizar e preservar as pradarias marinhas!

O professor Coordenador do Projeto na escola

Carlos Bico

 

Concursos, Leituras

Concurso “Que vois-tu par ta fenêtre?”

O concurso nacional “Que vois-tu par ta fenêtre?” foi organizado pela Associação Portuguesa de professores de Francês (APPF),  em tempo de pandemia.

Apresentamos um trabalho da aluna Laura Grosso do 9.º E.

Parabéns à aluna e obrigada à Prof.ª Marília Bação!

Laura Grosso 9ºE

Concursos, Leituras

Concurso: “Que vois-tu par ta fenêtre?”

O concurso nacional “Que vois-tu par ta fenêtre?” foi organizado pela Associação Portuguesa de professores de Francês (APPF),  em tempo de pandemia.

Apresentamos trabalhos de alunos de Francês do 8.º ano, turmas E, F e G.

Diogo Matos- 8.º EAutor: Diogo Matos (8.º E)

AnaGuadalupe Ribeiro- 8FAutora: Ana Guadalupe Ribeiro (8.º F)

Matilde Frischknecht -8FAutora: Matilde Frischknecht (8.º F)

Gonçao Branco-8FAutor: Gonçalo Branco (8.º F)

Martim Fernandes- 8FAutor: Martim Fernandes (8.º F)

RaquelPinto8GAutora: Raquel Pinto (8.º G)

Parabéns aos alunos e obrigada à docente de Francês, Prof.ª Marília Bação!

Comunicação, Outras atividades

La Cuisine de Pablo

Em tempo de pandemia, os alunos de Francês dedicaram-se à culinária. O aluno Pablo Machado do 8.º G mostra-nos como fazer uma pizza, deixando-nos com água na boca.

Querem aprender? É só clicar na imagem e têm uma verdadeira lição de culinária.

Et Bon Appétit!

 

pizza

 

Cidadania, Eventos

Projeto “O mar dá bom clima”

8 de junho – “Dia Mundial dos Oceanos”

Hoje foi a última sessão do Projeto, em articulação com a  “Ocean Alive”, e em que participou a nossa escola, sob a coordenação do Prof. Carlos Bico e a sua turma do 8.º C. Parabéns a todos pela pertinência do tema, pela excelência do trabalho realizado, pelos recursos produzidos, pelas mensagens deixadas, pelos desafios lançados, mas também pela esperança  num Futuro de preservação dos Oceanos e da Vida do Planeta.A imagem pode conter: 5 pessoas

Cidadania, Eventos

É urgente repensar o planeta…

Dia Mundial do Ambiente.
“Cada ano a ONU seleciona um tema, e o deste ano é a biodiversidade. A relação entre humanos e natureza afeta tudo, desde ar, água e alimentos a fontes de remédios, resistência natural a doenças e mitigação das mudanças climáticas.” (Greensavers)

Para ler o artigo clique na imagem.

Concursos, Leituras

Miúdos a votos: quais os livros mais fixes?

CONVITE

Festa Final “Miúdos a votos: Quais os livros mais fixes”? 

O evento é já no próximo dia 27 de maio, às 18:00, em direto em visaojunior.pt . Nesta grande festa da leitura serão divulgados os resultados das eleições nacionais dos “livros mais fixes” nos diferentes ciclos de escolaridade.

Participem, descubram se o vosso livro está entre os mais votados pelos mais de 16000 alunos de todo o país e descubram novos autores e leituras.

Final- Miúdos a Votos

Cidadania, Comunicação, Escrita

Projeto: “O mar dá bom clima!” Uma experiência interdisciplinar…

Projeto: “O mar dá bom clima!” Uma experiência interdisciplinar…

No dia 28 de novembro de 2019, a turma C do 8º ano da nossa escola realizou uma saída de campo às pradarias marinhas de Troia. Esta visita inseriu-se num projeto desenvolvido em parceria com a organização Ocean Alive. Pretende-se que os alunos compreendam a necessidade de proteção dos oceanos, com foco na divulgação e proteção das pradarias marinhas do estuário do Sado, destacando-se, deste modo, o papel do oceano no combate às alterações climáticas.

O ensino das ciências tem de ser obrigatoriamente prático/experimental se quisermos aumentar os níveis de motivação e sucesso dos nossos alunos. Assim sendo, passámos da teoria à prática e, numa manhã de chuva, que ultrapassou as piores previsões do estado do tempo, partimos para Troía. Na maré baixa, fizemos uma recolha de seres vivos. Posteriormente, com a ajuda das biólogas marinhas Raquel Gaspar e Sílvia Tavares, identificámo-los e, em seguida, voltámos a devolvê-los ao seu habitat. Estudámos assim um ecossistema com “água até aos joelhos”. Sentimos os fatores abióticos e observámos os fatores bióticos… Afinal, o conceito de ecossistema da aula teórica estava a ser observado em “direto ao vivo e a cores”.

Por último, convém dizer que este tipo de projeto só faz sentido numa perspetiva interdisciplinar. Nesse sentido, desafiei os professores do Conselho de Turma a “navegar nesta aventura”. Na disciplina de Inglês os alunos elaboraram cartazes, tendo por base vídeos em inglês sobre a temática; na disciplina de Geografia elaboraram sínteses escritas sobre a localização geográfica das pradarias marinhas e assistiram a uma aula dada por uma pescadora; na disciplina de F. Químicas mediram o pH da água do mar; na disciplina de Educação Visual elaboraram o vídeo da saída e um logótipo; na disciplina de C. Naturais  fizeram pesquisas, apresentações orais; saída de campo; exposição na escola; assistiram a aula dada por uma pescadora; questionaram os stakeholders participantes no projeto; participarão na sessão de encerramento por vídeo conferência; na disciplina de Português elaboraram textos de escrita criativa.

Por tudo isto, um agradecimento especial ao professor Miguel Boullosa que, desde a primeira hora, como diretor da turma, acarinhou o projeto, aos restantes professores: Fátima Diogo, Pedro Henriques, Teresa Hiêu, Paula Agostinho e, por último, aos pais que nos confiaram os seus filhos para participarem numa saída de campo, em pleno Outono, bem diferente de uma simples ida a um Museu.

As competências a desenvolver neste projeto são: o “pensamento Crítico”, a “Criatividade”, a “Colaboração no trabalho em grupo” e a “Comunicação”, os quatro C’s que “preparam” os jovens para o século XXI.

O coordenador do projeto na Escola Secundária du Bocage

Carlos Bico

Escrita Criativa

 

Logótipo

Criação do logótipo, Pradarias Marinhas Troia, no âmbito do projeto, “O Mar dá bom clima”.

 

 

Exposição no Átrio da Escola

Exposição: “A preservação da Ria Formosa. O que estamos a fazer no Estuário do Sado para o preservar?”

Esteve patente, de 6 a 17 de janeiro, na nossa escola, no âmbito do projeto: “O mar dá bom clima”, uma exposição que teve como objetivo sensibilizar a comunidade educativa para a necessidade de preservação dos recursos naturais e, em particular, dos ecossistemas costeiros. No átrio, estiveram disponíveis cinco Roll Ups com o trabalho desenvolvido pela Universidade do Algarve e o Centro de Ciências do MAR (CCMAR) na Ria Formosa, e um painel em que se mostrou uma pequena parte do trabalho desenvolvido pela organização Ocean Alive.

No que diz respeito ao domínio científico, a ilustração de Nuno Farinha, permitiu observar a localização das pradarias marinhas no nosso estuário. Estes dados geográficos foram recolhidos pelas “Guardiãs do Mar” em 2019, que são parte deste projeto, com o apoio de uma bolsa da National Geographic. As “Guardiãs do Mar” são mulheres da comunidade piscatória do Sado que colaboram com a Ocean Alive na proteção das pradarias marinhas. No mapa exposto puderam ser observados os limites da Reserva Natural do Estuário do Sado e as linhas que assinalam a profundidade do estuário e costa adjacente (batimétricas).

No que diz respeito à componente pedagógica, esteve em evidência algum do trabalho desenvolvido na nossa escola, com a turma C do 8º ano, na sequência da parceria entre esta organização e a nossa escola. Nesse sentido, esteve disponível uma “caixa pedagógica” que continha alguns exemplares, devidamente identificados, que tinham sido observados pelos alunos na saída de campo realizada, no dia 28 de novembro, às pradarias marinhas de Troia.

Afinal, o projeto: O mar dá bom clima”, é um projeto de sensibilização, capacitação e empoderamento de professores e alunos para a importância do oceano no combate às alterações climáticas, promovendo a ação da comunidade educativa com o envolvimento de agentes locais.

O Coordenado do projeto: “O mar dá bom clima”, na Escola Secundária de Bocage,

Carlos Bico

cartaz expo

 

Visita de estudo

Textos anónimos elaborados pelos alunos aquando da visita de estudo às Pradarias Marinhas em Troia.

O que senti na Visita de Estudo às Pradarias Marinhas em Troia

20191128_105829

Publicação de artigos no jornal da escola

thumbnail

jsnome56 dezembro 2019

jsnome57 janeiro219 – artigos 2 e 3

 

Eventos

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS
18 de maio
image.png
Para esta celebração sugerimos que acedam ao programa da Fundação Calouste Gulbenkian, clicando no link:
O Museu Calouste Gulbenkian assinala o Dia Internacional dos Museus com uma proposta de programação on-line que celebra a plurivocalidade, a diversidade e a capacidade de continuarmos juntos. A 18 de maio assinalamos também a reabertura do Museu Gulbenkian, que terá entrada gratuita durante todo o dia.

 

DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS 
18 de maio
Celebramos este dia, divulgando a publicação da escola “Património Museológico”.

CartazDiaInternacional dos Museus

 

 

Catálogo Património Museológico da Escola.

 

LivroMuseuEscola

 

Eventos

DIA NACIONAL DOS CIENTISTAS

DIA NACIONAL DOS CIENTISTAS
Informar. Inspirar. Cativar.
Um dia dedicado à Ciência.
Como assistir à transmissão?
No dia 16 de maio, das 16.00 às 19.00, ligue-se a www.cienciaviva.pt/festival
Pode ligar-se também diretamente no YouTube para assistir à transmissão em direto do Festival de Ciência Online.

Participem!

image.png
Leituras

Ler e escrever a distância

O Plano Nacional de Leitura faz-nos uma proposta muito interessante.

Ler e Escrever a Distância

Para obter mais informações clique AQUI.

Este é um Desafio que lanço às meninas do nosso Clube de Leitura e a todos os alunos que queiram participar. Já sabem, para obter mais informações e participar é só contactar a biblioteca através do email: bibocage@gmail.com.

Conto convosco!

Eventos

No dia 9 de maio celebramos a Europa

 

Dia da Europa assinalado com hastear da bandeira da União EuropeiaFonte: https://ominho.pt/dia-da-europa-assinalado-com-hastear-da-bandeira-da-uniao-europeia/

Este ano, no Dia da Europa, as instituições europeias desejam prestar uma homenagem especial, através de uma série de atividades em linha, aos numerosos europeus que, num espírito de solidariedade, ajudam a União Europeia a superar a crise do coronavírus. Leia estes testemunhos altamente inspiradores, bem como informações atualizadas sobre a resposta da UE à crise do coronavírus.

Leia mais AQUI.

Eventos

DIA DA MÃE

DIA DA MÃE
Dia 3 de maio
Homenagem a todas as Mães
Pedro Abrunhosa – “Para os Braços da Minha Mãe” com Camané  em:
Maternidade de Almada Negreiros
image.png

 

Concebida em 1935, esta obra alude ao nascimento do primeiro filho do artista, José Afonso de Almada Negreiros, a 11 de Dezembro de 1934. Confinadas aos limites estáticos e rígidos do quadrado, símbolo antigo do universo criado, de uma materialidade terrena, as figuras da mãe e do filho enlaçam-se num volume só, imponente e perfeito na união redonda dos corpos, sobre um fundo plano que o horizonte divide entre o azul do céu e o amarelo da terra.

A unidade que Almada incessantemente procurava – repetidamente expressa na célebre fórmula «1+1=1» – manifesta-se aqui, através da harmonia entre quadrado e círculo, entre esferas celestial e terrestre, na figura da Maternidade.

Fonte: https://gulbenkian.pt/museu/works_cam/maternidade-139016/

Eventos

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, 3 de maio.

Vivemos tempos em que a informação é ainda mais fundamental em termos de Saúde Pública e de Direitos Humanos. Celebremos a Liberdade de Imprensa, sempre!  3 de maio
Vivemos tempos em que a informação é ainda mais fundamental em termos de Saúde Pública e de Direitos Humanos. Celebremos a Liberdade de Imprensa, sempre!

Dia Internacional da Liberdade de Imprensa

No “Dia Mundial da Liberdade de Imprensa”, divulgamos ” a mentira dá que pensar”. Lançamos o desafio!

 

Leituras

TURMAS LEITORAS

TURMAS LEITORAS
Divulgamos as turmas que mais livros requisitaram para leitura domiciliária.
No ensino básico e secundário o livro mais requisitado foi «Os Bebés de Auschwitz» de Wendy Holden e no ensino secundário “Contos vagabundos” de Mário de Carvalho.
PARABÉNS AOS NOSSOS ALUNOS LEITORES!❤
2º PERÍODO
Leituras

Desafio “Leitura em voz alta”.

Desafio “Leitura em voz alta”.
Todos lemos. V@mos partilh@r leitur@s!
Divulgamos e apoiamos a iniciativa da Biblioteca Municipal de Setúbal. Gostaríamos que participassem.
Para os nossos alunos e comunidade educativa lançamos este desafio: façam um vídeo ou uma gravação áudio, com a duração máxima de 2 minutos de um excerto de um livro, um poema, uma história que queiram partilhar. Enviem pelo messenger ou para o mail da biblioteca em bibocage@gmail.com
Todos lemos. V@mos partilh@r leitur@s!


Eventos, Plano E@D

Desafio – Liberdade em Casa

Desafio – Liberdade em Casa
Imaginação e criatividade através da escrita,desenho, pintura, música… são formas de expressão da LIBERDADE.
Por isso, lançamos este DESAFIO aos nossos alunos! Escrevam, pintem, desenhem, cantem, fotografem da janela, façam vídeos… , e enviem os vossos trabalhos para o endereço da biblioteca em bibocage@gmail.com.
 
O TEMA É: LIBERDADE, SEMPRE!
Os melhores trabalhos serão divulgados, com pseudónimos, se assim o preferirem.
Contamos convosco!🙂
Cartaz
Eventos, Leituras

Comemoramos o 25 de abril com cinema

Comemoramos o 25 de abril com cinema

Propostas do Clube de Cinema em articulação com a Biblioteca Escolar

Visionamento do filmeAmanhã, de Solveig Nordlung.

 

 

O 25 de Abril num minuto

Aceda ao link: https://ensina.rtp.pt/artigo/o-25-de-abril-num-minuto/

 

Música, Poesia e Liberdade

Trova do vento que passa de Adriano Correia de Oliveira

 

 

“Grândola, Vila Morena”- Zeca Afonso @ Revolução dos Cravos,

25 de Abril de 1974

 

Sem categoria

Clube de Leitura e escrita curricular Ciência, saúde e bem-estar, em tempo de pandemia. Que caminhos?

Atividade de pesquisa, leitura, seleção de informação, escrita e comunicação, em contexto de articulação curricular das disciplinas de Biologia e Psicologia B do 12.º ano, turma B.